quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

Aquilo que se sabe de Cuba. Que imagem é essa?

Cuba, como qualquer lugar do mundo, é aquilo que os turistas vêem. Tudo depende de onde tu és, a vida que tu levas, o quanto tu ten$ e o que tu objetivas na vida.
Tem pessoas que voltam dizendo que não entendem como os Cubanos sobrevivem sem Coca-cola, tem outros que acham que é o sistema perfeito, tem, ainda, os que sabem (acham) como seria a vida perfeita para os "filhos de Fidel".


Não sei se arrisco um palpite, mas sei que eu vi uma realidade que me fez enxergar o mundo com outros olhos. Voltei mais aberta e encantada com pessoas que são artistas e cultas e que estão aprendendo a viver em um país dividido pelo poder de destruição do turismo inconsciente e inconseqüente dos "gringos". Parte vai porque acha que é um "super comunista", outros para fazer o pacote de experimentar a pobreza em Havana e relaxar no mar-que-os-cubanos-não-podem-banhar-se em Varadero. Ambos voltam dizendo (ou pensando lá no fundinho): ufa! Que bom que vivo num mundo capitalista e livre(?).


Cuba não é para se conhecer apenas. Cuba deve ser vivenciada. Quem vai para ser um simples turista acaba perdendo um pouco do sentido do lugar pelo caminho. Mas longe de mim dizer como os outros devem viajar. O que estou dizendo é que, se eu fosse somente para tomar mojitos, tirar fotos de prédios antigos e comprar camisetas do Che, voltaria muito decepcionada. Não conheceria, dessa forma, pessoas maravilhosas como as que nos receberam em suas casas, como se fôssemos da família, e não voltaria com uma saudade imensa de vivenciar mais e mais esse lugar tão especial.


No vídeo, Henrique canta uma de suas composições...

14 comentários:

heliopaz disse...

Têmis,

É exatamente isso: tudo deve ser vivenciado. Nas duas vezes em que fui ao Nordeste, foi de ônibus. Conheci vários ecossistemas pelo meio do caminho e convivi durante três dias com pessoas muito pobres, porém maravilhosamente educadas, sensíveis, honestas, queridas. Bem o contrário das piadas de meus conhecidos cariocas e paulistanos diziam.

Também quando morei no Rio de Janeiro, percebi que um monte de coisas que eu achava boas no RS não são tão boas assim (principalmente em relação à cultura gauchesca e ao comportamento da classe média - que considero a pior do país, talvez até pior do que as de Sampa, BH e Curitiba), assim como várias coisas que pareciam ruins no RJ eram, na verdade, ótimas.

Voltei pra cá com outro tipo de experiência - que é o que aconteceu contigo e com o Guga! ;)

[]'s,
Hélio

soldadonofront disse...

!! MUITO BOM !!

Anônimo disse...

É Verdade, o povo cubano é maravilhoso, não merecem viver do jeito que vivem, enquanto o seu "líder" importa vinho espanhol e come lagosta todos os dias! Ainda bem que os dias de Fidel estão contados, nunca vi alguém tão enganador, ele criou uma imagem de si totalmente falsa! Sem dúvida, é muito inteligente!!

Guga Türck disse...

Ah, tu viu o Discovery Channel ontem... Canal da FOX.

Há importações de diversos produtos espanhóis em razão do acordo dos resorts existentes na ilha para alimentar o turismo - não Fidel. Se um cubano acumula seus pesos, consome também. E lagosta se pesca ali no entorno. Os pescadores comem todos os dias. Eu e a Têmis compramos 10 peças e fizemos um baita jantar com essa turma que aparece no vídeo aí. Eles entraram com o rum, os charutos e a alegria!

Volta aqui depois que tem mais informação, ok?

Abraços!

Anônimo disse...

Sempre entro nesse blog, apesar de não concordar com a linha editorial(política) dele, tenho que concordar que é muito bem escrito e com bastante informações interessantes! Vi sim o documentário do Discovery, claro que ele é tendencioso, mas também humanizou um pouco o mito! Acho Sempre divertido inticar com a galera da esquerda, pois como são convictos de suas idéias, respondem ásperamente! Falando a verdade, não tenho uma idéia definida do que é melhor para os viventes, se por um lado, o capitalismo é selvagem, por outro, acho impossível nos tempos atuais, a implementação do socialismo sem uma ditadura! Ou estou errado? Alguém pode me explicar didaticamente como seria possível o socialismo sem repressão?? Abraços

Guga Türck disse...

Grande!
Mas eu fui áspero?! Se, sim, desculpas...

Deixaste uma bola picando na frente do gol pronta para ser tocada pro fundo das redes. Gostei demais da "provocação".

Vamos fazer assim, segue lendo e participando dessa discussão sobre Cuba, vamos chegar juntos nesse ponto do Socialismo Democrático.

Grande abraço.

ps: gostaria que não fosses anônimo...

André Fernandes disse...

Faloo Guga, sou o ex-anônimo. Não fostes áspero não. Virei leitor do blog, muito bom mesmo! Sinceramente,não sei o que pensar, gosto muito deste assunto, mas confesso, estou em cima do muro. Vou continuar lendo, e quem sabe chegar a uma conclusão.Mas tem uma coisa que concordo contigo plenamente, JAMAIS NOS MATARÃO!!! Abraços

Melina disse...

Uma coisa que sempre me pergunto: por que é tão difícil pra pessoas formarem suas próprias opiniões?
Não tenho TV a cabo, então não sei o que passou no discovery. Agora, simplesmente reproduzir ou criticar a esquerda só por que é conveniente ou para receber uma resposta "áspera", já é demais.

Vida longa ao alma da geral e àqueles que constroem suas opiniões,

Têmis e Guga, parabéns pelo trabalho!

André Fernandes disse...

Melina, fui apenas sincero, quando não sei o que pensar, digo a verdade e tento me abastecer de informações de todos os lados, acho melhor isso do que passar uma idéia de sabe tudo intelectualóide! E outra coisa, não leve tudo a ponta de faca, o Guga soube levar na boa a minha inconsistente provocação. Se você fosse a responsável pelo blog, com certeza eu teria a resposta áspera que aguardava né? ehehe Abraços

Melina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
André disse...

Concordo com você Melina, por isso não me deixei levar por um lado nem por outro ainda, estou tentando por vias próprias, chegar a uma conclusão, e como escrevi em um outro comentário, minha provocação foi inconcistente, foi uma inticação mesmo,sem ideais políticos ainda, e que o Guga respondeu com muita classe. Como um dia, escutei o presidente Lula dizendo que, se um jovem for de direita, ou um velho for de esquerda, é sinal que ambos estão com problemas,eu me senti na mesma posição do Lula, em cima do muro. Acho o ideal, um socialismo democrático, e o que quero, é realmente saber se isso é possível, ou uma utopia da minha parte e de tantos outros...
De um lado, o coração sempre acreditando na igualdade socialista, de outro, a razão querendo se render aos que dizem que atualmente o capitalismo selvagem não tem caminho de volta... Sou jovem ainda, e só quero saber no que acreditar...
Me desculpe qualquer coisa!
Abraços

Melina disse...

André, concordo quando dizes que é preciso buscar várias fontes, pois também o faço antes de tecer qualquer opinião (e o Alma da Geral está entre essas fontes). Não estou levando na ponta da faca, não te preocupes,tenho um bom senso de humor(os responsáveis pelo blog bem sabem disso...).
O meu comentário apenas reflete uma inquietação minha e não quis te atingir ou provocar uma resposta "áspera", muito menos bancar a "intelectualóide". Desculpe por não ter me expressado direito... Bom, mas acredito que a proposta desse post (e desse blog) não é gerar esse tipo de discussão.

Cá entre nós e pensando genericamente: você não acha que está cada vezes mais difícil ver as pessoas formando suas opiniões de forma crítica e que as críticas à esquerda, evidenciadas com a renúncia do Fidel, são sintomáticas dessa espécie de complacência, reacionarismo e apatia social?

É por isso que desejo vida longa ao Alma da Geral, por ser um espaço alternativo construído por duas pessoas que têm uma leitura crítica, coerente e fundamentada da realidade.

Abraços!

Cristóvão Feil disse...

Salve, Guga!

Quero ler mais depoimentos de vcs. sobre Cuba.
Estou gostando!


Cristóvão Feil

Carlos Eduardo da Maia disse...

Também quero acompanhar as notícias de Cuba que merece muito mais liberdade de opção econômica e política. O que eu tenho notado, pelo pouco que li, é uma certa decepção com o regime. Eu senti isso quando visitei Berlim Oriental na antiga DDR.