segunda-feira, 30 de abril de 2012

Uma ida a Maceió vale a pena

Estive uma semana pela terra dos Collor de Mello.
Um lugar interessante. Lindo, mas muito triste.
Socialmente falando, diferencia-se daqui por não haver uma zona de amortecimento grande entre os exploradores e explorados, que é a classe média. Lá, o contraste é quase puro e salta aos olhos - os ricos são ricaços e ostentam mesmo, e os pobres, muito pobres, abandonados pelo poder público e lutando diariamente pela dignidade própria.
Afora o turismo antropo-social, dá pra dar uma curtida nas praias, que ainda são fantásticas, mas que estão aos poucos sendo cada vez mais banhadas pelo cocô e mijo vindo dos empreendimentos imobiliários às margens do oceano, de direito dos exploradores e de dejetos socializados, sem tratamente algum.
A dança das marés é incrível, deixando praias como a Pajuçara, central, de um jeito pela manhã e de outro na tarde. Dá pra caminhar longe no mar e ver os arrecifes e piscinas naturais que emergem.
Ao sul, já em outro município, tem a Praia do Francês - sensacional!
Se eu voltar, é lá que vou ficar novamente - a Pousada Trilha do Mar é excelente pedida.
As águas não são tão judiadas, até que siga a resistência da população local nas audiências públicas, parece que vai permanecer assim por algum tempo mais. Tem mata de restinga nativa, ao lado de uns coqueirais, onde deu pra ver umas famílias de sagüis e um monte de pássaros diferentes.
No mais, claro, a exploração do turismo vai ruindo tudo ao redor.
Ah, e o mercado da produção, no centro da cidade de Maceió, é o cenário do horror...

Praia da Sereia, ao norte.

Ipioca, ao norte.

Francês.

Francês.

Francês.

2 comentários:

Aline Bitencourt de Albuquerque disse...

Já morei em Maceió por 11 anos e é isso mesmo que vc diz. Apesar de tudo AINDA é um lugar maravilhoso. E que continue assim por mais uns longos anos... Suas fotos são lindas! Obrigada por partilhar!

Luiz Henrique disse...

Nasci em Maceió, mas não moro mais lá e cada vez menos tenho vontade de retornar, visto que a cidade está cada vez mais deteriorada e as praias cada vez mais sujas... O que abordastes sobre a cidade é lamentavelmente verdadeiro. Infelizmente, a burguesia e o pouco que restou da classe média alagoana parece que já banalizou esse cenário social deprimente. Tenho apenas uma observação a fazer: ao invés de Terra de Collor de Mello, que é carioca... Prefira denominar Alagoas e Maceió de Terra de Zumbi dos Palmares, Deodoro da Fonseca, de Floriano Peixoto, de Graciliano Ramos, Jorge de Lima, Nise da Silveira, Djavan, Hermeto Pascoal...(risos)