quarta-feira, 2 de julho de 2008

Casa nova, salário novo!

Tia Yoda quer 143% de aumento.
Do RS Urgente:


Yeda pede aumento salarial de 143% para si mesma e prega “maior debate ético”

A decisão da governadora Yeda Crusius (PSDB) de aumentar o próprio salário, de R$ 7,1 mil para R$ 17.347,14 (um reajuste de 143%) caiu como uma bomba entre os servidores públicos do Estado que reivindicam reajuste salarial. Se é verdade que os salários do chefe do Executivo e dos secretários estão defasados, comparativamente ao que ganham deputados e juízes, é mais verdade ainda que os salários de amplos setores do funcionalismo público merecem a mesma avaliação. Além de defender o aumento de seu salário, que terá que ser aprovado pela Assembléia Legislativa (maioria simples), a governadora anunciou a instalação de um “maior debate ético” dentro do governo para “evitar crises”. Yeda avalia que o pior da crise provocada pelas denúncias de corrupção já passou e sente-se à vontade para defender para si o que nega para o funcionalismo.

E para a OSPA, governadora, não sai um dinheirinho???



Um comentário:

heliopaz disse...

Guga e Têmis,

Bem feito para a classe mérdia: por causa da arapongagem brigadiana por causa da Lei do Trago na Direção, ela, que tanto defende a porrada nos movimentos sociais, agora também vai levar umas cacetadas ou umas tungadas no bolso pra ver o que é bom pra tosse.

Como podem perceber nos meus comentários e posts, vivo um momento bastante revoltado e desiludido, tentando aprender e apresentar novas formas de resistência, pois a esquerda está sempre 10 passos atrás da direita.

Estou pessimista. Mas espero estar redondamente enganado.

No mais, foda-se a OSPA: afinal de contas, desde aquelas obras faraônicas e a nova sede prometidas por Britto, eles não votam todos na direita?!

Se é pra não ter sede e ter músicos mais engajados, dissolva-se a OSPA e crie-se uma nova orquestra sinfônica mais includente, que se espraie pela cidade e promova oficinas na periferia. Do contrário, é apenas uma entidade burguesa a mais.

[]'s,
Hélio