sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Associação de Moradores da Vila São Judas Tadeu denuncia a PUCR$

Do blog da instituição (http://amovitapoa.blogspot.com/):

A AMOVITA lançou nesta sexta-feira um material com denúncias de irregularidades e parte da história da universidade que não é divulgada.

A PUC-RS tem um histórico de desrespeito a tudo que impeça o seu crescimento, seja a questão ambiental ou social.

Ao longo dos próximos meses iremos detalhando cada ponto das denúncias. É preciso que a fúria expansionista dos maristas seja contida, ou nossa comunidade desaparecerá do mapa!


(clique para ampliar)

2 comentários:

Hélio Sassen Paz disse...

Causa 100% justa, com apenas alguns pequenos reparos:

- O fato de que a PUCRS foi beneficiada com a cessão de terreno do Estado que antes pertencia à Fundação Zoobotânica do RS não exatamente é negativo, assim como não necessariamente prova que a universidade como um todo "se fez de louca" durante a ditadura em troca dessa benesse. Além disso, o JB raramente teve apelo cultural, lúdico, social e econômico fosse como parque, como aparelho turístico e tampouco como área de preservação e de pesquisa. Gratuito ou não, caro ou barato, com maior ou menor qualidade, bem ou mal, o serviço que a PUCRS presta à sociedade é amplamente mais relevante no conjunto da obra. Imagina, por exemplo, um hospital-escola que atende pelo SUS a menos na cidade - ou um hospital ainda mais precário do que já o é - e uma quantidade menor de médicos na cidade ou no estado.

No mais, tudo está absolutamente perfeito. No entanto, sugiro que o pessoal da AMOVITA ponha datas, links para documentos, notícias e decisões na Câmara dos Vereadores e no Governo do Estado com nomes aos bois - bem como de setores e pessoas responsáveis por essas arbitrariedades dentro da própria PUCRS.

É preciso instrumentalizar a Vila São Judas Tadeu pra realizar um vídeo - nem que seja editanto imagens de câmeras de celular e de câmeras fotográficas digitais.

Pra mim, um grande exemplo de qualidade de roteiro e tecnoestética (sim, a qualidade da imagem, do som e a criatividade na montagem importam DEMAIS pra se atingir a classe média urbana) é este aqui:

http://heliopaz.com/2009/11/17/pela-democratizacao-dos-meios-de-comunicacao-no-brasil/

Entendes onde eu quero chegar? As demandas precisam ser melhor apuradas para que cheguem à classe média urbana, que é a maioria da população dos bairros mais próximos do Centro. Até hoje, em POA, a única demanda que funcionou foi apartidária, assindical e juntou técnicos das comunidades com repercussão midiática e mobilização online que resultou em uma ação presencial decisiva - que ainda não terminou.

http://goncalodecarvalho.blogspot.com/

No mais, brilhante trabalho do Catarse com o pessoal da Banca de Fruta. Isso precisa ser expandido a partir de exemplos semelhantes.

Keep up the good work! ;)

[]'s,
Hélio

Susin disse...

Clareza e provas são fundamentais

A Puc, através de sua mantenedora, tem ajudado a Vila São Judas em saúde, e seu vice-reitor já trabalhou pessoalmente na Vila quando jovem irmão. Há também outras versões dos fatos, e sobram dúvidas sobre qual é a versão verdadeira. Por isso penso que há necessidade de duas posturas:
1. Apresentar com clareza as provas de que as medidas tenham vindo da Pucrs e não da prefeitura.
2. Incrementar um diálogo em vista de uma pareceria da Pucrs em vista do bem da comunidade. Ao invés de martelar numa briga, uma pareceria só faria os moradores ganharem. Briga é bobagem!