segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Camelódromo: aquilo que começa mal...

Notícia direto do portal de internet do veículo oficial de assessoria de comunicação do Governo do Estado e da Prefeitura de Porto Alegre (se eles noticiaram assim, imaginem o que está rolando nos bastidores):


Cai pedaço de viga do Camelódromo da Capital
Situação é considerada normal pela Smic, pois concreto deve "trabalhar"

Um pedaço de uma viga horizontal do Camelódromo de Porto Alegre cedeu na manhã desta segunda-feira. O material que caiu ficava na junção da coluna com a laje, e seu tamanho é um pouco superior ao de um tijolo. No local ficou um vão.

O titular da Secretaria da Produção, Indústria e Comércio (Smic), Idenir Cecchim, disse que a situação é normal, já que o concreto precisa "trabalhar" — devido ao peso ou mesmo ao clima, que faz o material se estender no calor e se retrair no frio. O concreto utilizado no Centro Popular de Compras (CPC) é do tipo protendido, que é mais resistente que o comum.

Não será feito qualquer reparo no local, de acordo com a Smic. Quanto ao início do funcionamento do Camelódromo, ainda não há previsão. O começo dos trabalhos no CPC estava marcado para hoje, mas acabou adiado após uma vistoria dos bombeiros, que constataram dois problemas: a existência de um degrau em uma saída de emergência, o que é vedado por lei, e a necessidade de instalação de válvulas de gás.

Enquanto isso, os comerciantes que ocuparão o CPC sofrem prejuízos enquanto não podem trabalhar. Alguns improvisaram bancas nas ruas para obter seu sustento. A reclamação diz respeito também à perda de clientela.

Além desses problemas, mais um fato deverá ser verificado, dessa vez pela Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC). Os ônibus que ingressam no terminal pela Avenida Mauá, sob o CPC, chegam a interromper momentaneamente o trânsito para manobra e ingresso nos corredores, considerados estreitos pelos motoristas.

*grifos do Alma

5 comentários:

Kayser disse...

Finalmente alguém que trabalha na administração Fogaça: o concreto!

Guga Türck disse...

Sabe o que eu tenho medo, tchê?
É que aquilo lá caia...
Nem terminaram e já tem problema de infiltração, problema com pedaço caindo, problema com trânsito... Essa aí tá literalmente na mão de Deus.

Kayser disse...

Tenho uma amiga que trabalha lá perto e há muitos meses jura que aquilo lá vai cair.

Rodrigo Cardia disse...

Eu também tenho a impressão de que aquilo vai cair.
Sempre que possível, evitarei passar por lá. O problema é que muita gente vai passar lá, e poderá acontecer uma tragédia.

Anônimo disse...

- Jorge Nogueira

Há uma série de coisas preocupantes com relação a este camelódromo:

Primeiro é se realmente ele deveria existir, pois o camelô funciona pq compra-se dele no impulso. Agora se deverá deslocar-se ao local como se fosse um centro comercial qq;

Segundo: temos aproxidamente 1800 camelôs na cidade e o camelódromo só abriga 800, sendo q alguns espaços já estão nas mãoes dos lojistas. O aluguel ñ é baratinho...

Terceiro: ele vem em um momento impróprio devido ao aumento do desemprego gerado pela crise capitalista global.

Por último me solidarizo aos amigos e torço e mto para q a construção seja como o Colorado e ñ caia, pq se for como o Grêmio se tombar nem adianta levantar pq cai de novo. KKK