quarta-feira, 14 de abril de 2010

PRBS transforma flagrante em suspeita para aliviar seus "filhos"

É descarada a manipulação.
Se você ainda é um daqueles céticos que insistem em chamar de teóricos da conspiração as pessoas que fazem a análise crítica da mídia, bom, aqui está a prova provada.
Talvez seja mais fácil neste texto porque não envolve política, preferências clubísticas ou ideologias diretas, partidárias ou não, nem o MST.
É uma notícia de polícia, em que o texto é totalmente contrário à manchete.
Olha só:

Universitária e homem são presos por suspeita de tráfico de drogas na Capital
Casal foi detido em um posto de gasolina da avenida Assis Brasil

Agentes da 1ª Delegacia do Denarc (1ª Din) prenderam, na noite de ontem, um casal de namorados suspeito de traficar drogas na Zona Norte da Capital. O homem, de 28 anos, e a estudante de jornalismo, 24 anos, foram detidos em um posto de gasolina da Avenida Assis Brasil, onde foram flagrados entregando um tijolinho de 46,2g de maconha, no valor de R$ 20, a um usuário.

Na casa do suspeito, a polícia encontrou mais 424,2g de maconha, 89g de cocaína, 436 micropontos de LSD - o equivalente a 1.744 doses individuais - e uma balança digital dentro do roupeiro . Na carteira da jovem, ainda foram localizados dois comprimidos de ecstasy.

O casal foi conduzido ao Denarc. Depois de autuados em flagrante, seguiriam para o sistema prisional. À polícia, o homem disse ser usuário e que comercializa para sustentar o vício. Já a estudante negou estar colaborando com o namorado.
--------------------------

Como assim "suspeita"???
Bah, véio, pelamordedeus, é FLAGRANTE!!!
Claro, eu entendo isso, até porque me formei em jornalismo na escola técnica do PRBS, que é a Famecos.
Inclusive, na minha época, o tráfico de LSD (doce, a c, que seja) era solto e rolava direto nas festinhas da galera - maconha nem vou falar.
Não sei se essa garota está fazendo o seu curso lá, mas o que experenciei na época faz até eu, sem conhecer esses dois, imaginar seus rostos...
Aliás, nem sei como anda isso agora.
Festas universitárias saíram do meu cardápio há tempos.
Envelheci?
Pode até ser, mas o PRBS continua o mesmo, protegendo dos seus com o anonimato e manipulando na cara dura tudo o que é tipo de informação.
Se você realmente acho que está se informando lendo essas porcarias, está na hora de repensar tal ingenuidade...

- link original da matéria

7 comentários:

claudia cardoso disse...

Já chega a ser enfadonho repetir que a mídia manipula, né Guga?

Bah... Filho de classe méRdia é caracterizado como "suspeito". Se fosse pobre e negro, já dá para imaginar como seria a notícia...

Anônimo disse...

(Jorge Nogueira)

Guga quando alguém duvidar da parcialidade da mídia "livre" apresente este artigo de um defensor dela, que fala com todas as letras como ela funciona:
http://blogdomonjn.blogspot.com/2010/03/liberdade-na-midia-privada-e-que-o.html

Abraços!

Leandro Bierhals disse...

Eu, inclusive, dei uma renovada no meu cadastro no site da PRBS só para poder postar um comentario do tipo: se encontram tamanha quantidade de droga na casa de um SUSPEITO de trafico o que não encontrarão na casa de um trafica confesso.

giovani montagner disse...

admito ter um pouco de dificuldade em perceber algumas manipulações, porém estou convicto que existe.
as vezes tenho dúvidas, mas acho acertada minha decisão de não "beber" desta fonte de informação.

Pioneiros disse...

Primeiro: tu nem sabes se a guria estudava na Puc! Teu curso de jornalismo não te ensinou muito sobre ética.
Segundo: Mesmo sendo flagrante, todo mundo é SUSPEITO até ser julgado.isso é básico em um texto jornalístico.Um jornalista não pode condenar em seu texto alguém que ainda não julgado.
Terceiro: Provalvelmente esse texto deve ter sido copiado e colado somente dos realeses da Polícia Civil, onde TODOS são tratados como SUSPEITOS até o julgamento.Já trbalhei na Assessoria de Imprensa da PC e sei como funciona.
Ps: Nunca tive nehum vinculo com a Puc, só pra registrar.

Abraços, Conrado Gallo

Guga Türck disse...

Tchê, Conrado, olha só.

Primeiro: sim, não sei, como disse no texto, olha lá. E o meu curso de jornalismo não me ensinou nada de ética, a cadeira era uma porcaria, e no segundo semestre os caras estavam distribuindo camisetas da RBS pros calouros na secretaria da famecos. Baita ética. Tudo que sei hoje, meu comportamento ético, construí no empirismo do meu trabalho e estudando, sobretudo, semiótica.

Segundo: flagrante é flagrante, não tem direito nem a fiança, vai preso direto. Suspeito é investigado. Agora, se é inocente ou culpado, bom, daí é com a Justiça.

Terceiro: pois é, TODOS os filhos da classe média pra cima. Sé é neguinho e pobre, se publica "boneco" dos caras, o Paulão do Polícia em Ação vai lá e esculacha, o Diário Gaúcho dá endereço e cpf...

Abraço.

Pioneiros disse...

Cara têm coisas incorretas aí, mas não vou continuar essa discussão pq no fundo eu concordo com a idéia principal da tua argumentação.

Abraço

Conrado Gallo