sexta-feira, 26 de junho de 2009

Depois, os bairristas são os gaúchos...

Olha, essa história do gaúcho como heróis dos pampas é uma balela sem tamanho.
Dizer que este estado é o mais politizado do país é uma bobagem maior ainda.
Culturalmente, os valores do Rio Grande do Sul são fabricados nas mentiras repetidas décadas a fio pelo positivismo, que teve sua entrada e consolidação neste estado pelas mãos do ditador Getúlio Vargas e seus cupinchas.
Agora, este imbecil que escreveu o texto a seguir na Gazeta Esportiva, em São Paulo, demonstra todo o ódio do eixo para com os gaúchos, que vem sendo perpretado, também, a décadas, a troco de quê, no entanto, é que caberia uma discussão...
Que este texto e todos estes acontecimentos estapafúrdios dos últimos dias, fabricados para desestabilizar, sirvam de combustível para o Grêmio montar uma patrola e não deixar caco sobre caco do Cruzeiro na quinta que vem (no sentido figurado, claro).

Gauchada esquece a bola e quer levar títulos na força
São Paulo (SP)
O futebol gaúcho sempre foi conhecido pelo espírito belicoso, coisa de fronteira. Quer dizer, ou vai na bola ou no pau. No entanto, Grêmio e Internacional estão exagerando. Gremistas fizeram carnaval em Belo Horizonte. Colorados prometem outro salseiro contra o Corinthians, na próxima quarta-feira. Está na hora de a CBF meter a colher nisso e, se for o caso, tirar mando de campo desses caras, um bando de "machochos", ou seja, sem suco, insípidos, debilitados metidos a macho.
Gremistas e colorados sentiram a barra. Estão em tremenda desvantagem em relação a Cruzeiro (Libertadores) e Corinthians (Copa BR). Os 3 a 1 no Mineirão praticamente garantiram os mineiros na decisão da sul-americana. O mesmo acontecendo com o Timão, que não levou e ainda marcou dois gols.
O jeito, então, é apelar para a ignorância, criando um "clima de guerra", coisa de índio mesmo, de gente sem espírito esportivo, querendo ganhar o jogo no grito. Resultado: se eu fosse dirigente de Cruzeiro ou Corinthians levaria um pelotão de seguranças, prontos para o que der e vier nas partidas de volta em Porto Alegre.
Na época da ditadura militar, a maioria dos generais era lá do Sul. Os caras torturaram, mataram, usaram dinheiro público ao bem prazer e tudo bem. Criou-se a cultura de não ser "revanchista" com o surgimento da democracia. No entanto, crime é crime e ninguém foi punido e, pelo jeito, nunca vai ser. Muita gente daquela época já está ardendo no fogo dos infernos. Como diria a avó do psiquiatra Zé Carlos Zeppellini, "Deus escreve certo por linhas tortas".
E assim caminha a mediocridade...


- Chico Lang para Gazeta Esportiva - http://www.gazetaesportiva.net/nota/2009/06/25/585664.html

4 comentários:

gremiodecoracao disse...

com isso, tinhamos que ganhar TUDO! vão se fu*** esses caras, po!




não esperem ser bem recebidos. pois não vão! GRÊMIO!


abraço.

Anônimo disse...

(Jorge Nogueira)

LDUUUUUUUUUUUhhhhhhhhhhhhhh!!! KKK

Fora incompetenTITE q só foi contratado devido ao "lobby" da imprensa "vermelha" né Guga?

Hélio Sassen Paz disse...

Quatro posts sobre o contexto recente do Grêmio:

http://heliopaz.com/2009/06/25/gremio-um-modelo-de-gestao-insuficiente/

http://heliopaz.com/2009/06/25/maxi-autuori-contradicoes-de-duda-2009/

http://heliopaz.com/2009/06/26/o-gremio-e-sua-governanca-amadoresca/

http://heliopaz.com/2009/06/26/racismo-nos-clubes-discutindo-processos-e-nao-pessoas/

[]'s,
Hélio

Libertário disse...

E olha o preconceito, numa parte do texto ele fala "coisa de índio". A imprensa futebolística em geral peca por excesso de bairrismo. Aqui temos alguns narradores e comentaristas que são parecidos com esse tal de Chico Lang. Essas pessoas devem ser ignoradas.

Abraços,

Marcos
São Léo