sábado, 8 de março de 2008

Dia Internacional da Mulher

É o grito de quem não aguenta mais e vai à luta. A Via Campesina é um exemplo dessa força feminina que deve iluminar não só elas, mas todos eles.

Não são baderneira(o)s, não são assassina(o)s. São as pessoas que estão acordadas para o mundo, que estão vivendo e estão lutando, também, por todos os que não fazem absolutamente NADA! Tá na hora dessa situação mudar e tá mudando, graças a essas mulheres, a esses homens. Viva a luta pelo respeito à diferença, pela liberdade de ser que se é, à diversidades de gênero, de idéias e pela convivência humana pacífica. PAZ E CONSCIÊNCIA SEMPRE!

6 comentários:

heliopaz disse...

Lata de que vocês estavam bebendo na foto ao lado? ;)

Parece uma mistura de logo da Brahma com o fundo do Guaraná Antarctica e o azul da Quilmes embaixo... :P

[]'s,
Hélio

Snel disse...

Chê, toda luta é justa desde que seja pacífica. Invadir propriedade alheia é crime e deveria ser tratado como tal. Se a VC e o MST querem terra, lutem por ela na assembléia, na câmara, mas não invadindo e depredando fazendas. E que fiquem na terra que conquistaram e não a vendam como muito o fazem e vocês, que os protegem, e que na própria miopia não notam os crimes que fazem, abram os olhos e vejam que o MST entre outros não são ovelhinhas coitadinhas.

Guga Türck disse...

Hélio, é cerveja panamenha que serviam no avião.
Muito boa, por sinal.

Abração!

Guga Türck disse...

Realmente, eles não são "ovelhinhas coitadinhas".
É gente muito valorosa, de fibra, forte e batalhadora. Gente sofrida, mas feliz.
São pessoas solidárias, de respeito e muito honestas.
E ilegal é a propriedade daquela área estar em mãos de estrangeiros. Segundo a CONSTITUIÇÃO, nenhum estrangeiro pode deter poder de terras em uma área a menos de 150 quilômetros da fronteira. Então, segundo as LEIS do Brasil, a atitude das mulheres da Via foi de cidadania. Aliás, não vai sair processo quanto a isso e sabe por quê?
Porque a Justiça teria que trazer à tona toda a situação ilegal daquela fazenda - o que anularia o ato de "invasão". Por isso que estão ridiculamente tentando processar as mulheres por "tentativa de assassinato".
Patético...

Abraço.

Carlos Eduardo da Maia disse...

Se é legal ou ilegal quem decide isso não é a elite da via campesina que manda e determina mulheres e crianças invadir tal área. A via campesina é que nem o capitão nascimento, faz "justiça" pelas próprias mãos. É a Justiça e o MInistério Público que devem decidir se tal área é legal ou não. Mas convenhamos que lei mais idiota, reacionária e intempestiva. Qual o problema de uma multinacional se estabelecer a 150 km de área de fronteira. É uma lei que não se justifica. As mulheres do MST hipnotizadas pela elite do movimento estão acordadas para o mundo do século XIX.

Anônimo disse...

Bueno, multinacional por multinacional, a Vía Campesina é o quê? Tem sede na Indonésia, sotaque de todo lado, página em inglês. Os argumentos dos sem muda conforme a conveniência. Começou dizendo que eucalipto seca a terra, bebe toda a água do mundo. Como são imbecilidades atrozes, deixaram de lado. Agora a questão é a lei dos 150km da fronteira, que foi feita pelo imperador Dom Pedro II. Além de violentas, as mulheres foram desonestas intelectualmente.
Ze Mario